19 Juni 2024

China exige fim do envio de armas para Ucrânia

2 min read

Foto/Imagem:

Antônio Albuquerque, Edição – Foto Reprodução

O enviado da China à Ucrânia, chanceler Li Hui, exigiu que outros governos que “parem de enviar armas para o campo de batalha” e mantenham negociações de paz.

Cela peut vous intéresser : FACTBOX-Dari penggerebekan hingga larangan keluar, perusahaan-perusahaan AS menghadapi semakin banyak rintangan di Tiongkok

Após uma visita a Moscou e Kiev, o principal diplomata chinês pediu na sexta-feira aos governos de países terceiros que não enviem mais armas para o conflito.

Li falou a favor da realização de negociações de paz enquanto os Estados Unidos e seus aliados europeus aumentam as remessas de mísseis e tanques para as forças ucranianas.

A lire également : Zelenskiy mengatakan pemilu bisa saja mendapat kecaman jika West membantu

A China não faz parte da crise da Ucrânia nem da sua causa, são os EUA e os seus parceiros que detêm a chave para a cessação das hostilidades, aponta um jornal chinês.

“ A China acredita que, se realmente queremos acabar com a guerra, salvar vidas e alcançar a paz, é importante pararmos de enviar armas para o campo de batalha. Caso contrário, as tensões não vão parar de crescer ”, disse Li a repórteres em Pequim, capital da China.

O responsável pelas chancelaria do país asiático disse que a essência da crise na Ucrânia são as contradições na governação da segurança europeia.

A China mantém boas relações tanto com a Rússia quanto com a Ucrânia, e tem peso diplomático como um dos maiores mercados de exportação de ambos.

A Rússia disse repetidamente que está pronta para se reunir com as autoridades ucranianas para resolver disputas e retomar as negociações de paz, se as pré-condições de Moscou forem atendidas.

Pequim apresentou um plano de paz em fevereiro, mas os aliados da Ucrânia insistiram que o primeiro passo deveria ser a retirada das forças russas.

O governo chinês se declarou neutro e disse que quer mediar o conflito. “O objetivo da China é promover a paz e a cessação das hostilidades”, insistiu Li, ex-embaixador chinês em Moscou.

(function (d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id))
return;
js = d.createElement(s);
js.id = id;
js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.0”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));